Universiteit van Antwerpen
29/11/2014 - 04:26
(c)
http://www.lawandeducation.com/main.aspx?c=.ELA&n=47337&ct=47409&e=114053
PORTUGAL

Institutional publications

  • Critérios de classificação, Prova de Aferição da Língua Portuguesa, 2001, 6.º ano de escolaridade. Documento policopiado.
  • Critérios de classificação, Prova de Avaliação Aferida, Matemática, 2001, 1.º ciclo de ensino básico. Documento policopiado.
  • Critérios de classificação, Provas de Aferição de Matemática, 2001, 6.º ano de escolaridade.

Duplicated documents

  • Departamento de Educação Básica (2000). Provas de aferição do ensino básico, 4.º ano- 2000. Língua Portuguesa. Matemática. Relatório Nacional. Lisboa,
  • Departamento de Educação Básica.
  • Inspecção- Geral da Educação (1999). Avaliação integrada das escolas.
  • Apresentação, procedimentos e roteiros. Lisboa, Inspecção- Geral da Educação.
  • Inspecção- Geral da Educação (1999a). Actas da 1.ª Conferência Nacional da Inspecção- Geral da Educação. Lisboa, Inspecção-Geral da Educação.
  • Inspecção- Geral da Educação (2000). Roteiro. Organização do ano lectivo 2000-2001. Lisboa, Inspecção- Geral da Educação.
  • Inspecção- Geral da Educação (2000 a). Plano de actividades, 2001. Lisboa, Inspecção-Geral da Educação.
  • Inspecção- Geral da Educação (2001). Avaliação integrada das escolas. Relatório Nacional. Ano lectivo 1999- 2000. Lisboa, Inspecção-Geral da Educação.
  • Inspecção- Geral da Educação (2001 a). Organização do ano lectivo 2000- 2001.
  • Relatório Nacional.
  • Lisboa, Inspecção-Geral da Educação.
  • Inspecção- Geral da Educação (2001 b). Avaliação integrada das escolas. Síntese dos resultados. Ano lectivo 1999- 2000. Lisboa, Inspecção-Geral da Educação.
  • Manual do aplicador. Provas de Aferição da Língua Portuguesa e Matemática, 2001, 6.º ano de escolaridade. Documento policopiado.
  • Manual do aplicador. Provas de Aferição da Língua Portuguesa e Matemática, 2000, 4.º ano de escolaridade. Documento policopiado.
  • Ministério da Educação (1998). Documento orientador das políticas para o ensino básico. Lisboa, Ministério da Educação. Documento policopiado.
  • Pacto Educativo para o Futuro (1996). Lisboa, Ministério da Educação.

Other references

  • Afonso, N. (1994). A reforma da administração escolar: a abordagem política em análise organizacional. Lisboa: IIE.
  • Afonso, N. (1995). A imagem pública da escola: inquérito à população sobre o sistema educativo. Lisboa: IIE.
  • Afonso, N. (1999). A autonomia e a avaliação do desempenho das escolas públicas.
  • Aprender, n.º 23.
  • Afonso, N. (1999 a). A autonomia das escolas públicas; exercício prospectivo de análise da política educativa. Inovação, 12.
  • Afonso, N. (2000). A autonomia, avaliação e gestão estratégica das escolas públicas. Actas do Simpósio "Estratégia e Liderança das Escolas". Aveiro.
  • Universidade de Aveiro.
  • Barroso, J. (1999). Regulação e autonomia da escola pública: o papel do Estado, dos professores e dos pais. Inovação 12.
  • Barroso, J. (org.) (1999 a). A escola entre o local e o global.Perspectivas para o século XXI. Lisboa, Educa/ FPAE
  • Curado, A. (2001). Política de avaliação de professores. Potencialidades e constrangimentos Administração Educacional, n.º 1.
  • Van Bruggen, J. (2001). Políticas europeias de avaliação da escola: situação actual da relação com as políticas de autonomia, descentralização e auto- gestão.
  • Administração Educacional, n.º 1.

Legislation

  • Decreto- Lei n.º 542/ 99 de 13 de Dezembro (lei orgânica do “GAVE”)
  • Decreto Regulamentar n.º 11/ 98 de 15 de Maio (avaliação do desempenho dos professores)
  • Decreto- Lei n.º 115- A/ 98 de 4 de Maio (autonomia e gestão da escola)
  • Decreto- Lei n.º 271/ 95 (lei orgânica da “IGE”)
  • Lei n.º 18/ 96 (alteração do Decreto- Lei nº 271/ 95)
  • Decreto- Lei n.º 70799 a “IGE” (alteração do Decreto- Lei n.º 271/ 95)